Eventos

Entrada Artigos Higienismo/Higiene de Vida PREFÁCIO ao livro RIA AGORA de Ana Banana (ed. Ariana 2008 abril)
PREFÁCIO ao livro RIA AGORA de Ana Banana (ed. Ariana 2008 abril) Versão para impressão Enviar por E-mail
Medicinas Não Convencionais - Higienismo/Higiene de Vida
Escrito por Carlos Ventura   
Terça, 13 Maio 2008 10:32

Prefácio

Este livro é um manual.

Ao longo das suas páginas aprende-se de forma ilustrada por situações, histórias e explicações o que é o Yoga do Riso, como se ana_banana-carlos
pratica, porque faz bem. Eficaz, muito mais eficaz que uma seca obra teórica. Pega-se nele e não se consegue parar. Porque ele é como a autora. Observando a Ana vem-me com frequência à mente uma frase de Pascal que desde a adolescência eu elegi como das minhas preferidas: "o Homem é o vime mais frágil de toda a criação". Este vime mais frágil sobrevive contudo desde sempre às condições mais adversas, encontrando dentro dele a chama para ir em frente. A Ana parece frágil, sim, mas voa alto e bem. Nomeadamente porque sente, como Sebastião da Gama, que "pelo sonho é que vamos...".

Este livro é um roteiro.

O roteiro da aprendizagem de como evoluir na via do Yoga do riso. Este livro não é teórico. Saiu das entranhas da Ana. O seu riso é a transmutação das suas lágrimas, por isso o livro é tão transparente e tão irresistível. Este livro é o diário íntimo das suas descobertas e dos seus erros, das suas alegrias e das suas desilusões, das suas vitórias e das suas derrotas, dos seus êxtases e das suas frustrações, É claro que o seu caminho é pessoal e ninguém vai poder copiá-lo. Mas ler a sua história e as suas palavras é fascinante e inspirador.

Este livro é um auto-retrato.

Porque a sua história é a sua vida, Ana escreveu um livro terno e comovente, empolgante, uma aventura a céu aberto, solidária, solitária e colectiva. Como um samurai treinando, singrando em cada dia, em cada momento, a sua Via do Riso, com uma entrega total, apaixonadamente, obsessivamente, sem reservas nem limites, a Ana viveu as suas sessões como uma aprendizagem constante do ser humano, dos mecanismos da mente, das dinâmicas de grupo, visando o conhecimento de si própria, fazendo-se cadinho de transmutação, atanor alquímico onde a utopia da Paz Mundial e da Alegria ganham forma e se realizam.

Este livro é a jornada da Ana ao encontro de si própria.

A Ana sempre (con)viveu com o riso. Ela sabe, melhor do que nós, que o riso é algo de muito sério. Ela sabe, melhor do que nós, que o riso, sendo um território habitado por todos os seres humanos, é também uma terra aberta, virgem, com caminhos que se cruzam e que podem vir de horizontes de felicidade ou de abismos de desespero.

A Ana é palhaça. Quando a vêem, as pessoas esperam rir. E ela espera fazer rir. É esse o código de comunicação entre a Ana e o seu público. O modo como a Ana se lhe apresenta, o que diz, o que faz, é construído para fazer rir. Mas o yoga do riso é outra coisa, simples e surpreendente: rir sem razão alguma! E isso nem um palhaço entende. E para a Ana essa foi a primeira revelação. Essa experiência-charneira, para ela e para todos nós, que com a Ana viajamos através desse (a)mar infinito, mantém-se e renova-se em cada sessão de Riso, lúdica, catártica, celebradora do que de mais simples a vida tem.

Porque tu abriste e continuas a abrir caminhos, obrigado, Ana!

CARLOS CAMPOS VENTURA

(Líder de Riso, Professor de Saúde e Alimentação, Director do Instituto Hipócrates de Ensino e Ciência)

atualizado em Terça, 08 Julho 2008 08:58
 

Subscreva Newsletter

Medicinas Não Convencionais


Receber em HTML?