Eventos

Entrada Artigos Alimentação Algas - iguarias do mar
Algas - iguarias do mar Versão para impressão Enviar por E-mail
Medicinas Não Convencionais - Alimentação
Escrito por Carlos Ventura   
Domingo, 10 Janeiro 2010 20:20

in revista O SEGREDO DA TERRA - 2010 Jan
ALGAS - IGUARIAS DO MAR

Carlos Campos Ventura*

As algas foram dos primeiros alimentos a ser consumidos pelo Homem; na verdade, todas as populações costeiras, com maior ou menor frequência, as consumiam. Mas em muitas regiões o seu consumo caiu em desuso. Porem, se isto se deu em Portugal e na maioria das costas europeias, as algas continuaram a servir de alimento noutros continentes.

As algas sempre foram olhadas como legumes do mar, apesar de na verdade não serem vegetais. Mas é preciso dizer que algas e vegetais têm algumas características comuns. Há muitos diferentes nomes e variedades de algas, calculando-se que haja cerca de duas mil e quinhentas variedades. Gastronomicamente muito interessantes (apesar de ser necessário alguma prática para as receitas começarem a resultar), é ainda mais importante valorizar o seu teor nutricional. Neste, ressalta a grande concentração em minerais, mas também contêm caroteno, vitaminas D, K e B12, alem da maioria das vitaminas hidrossolúveis.

Havendo tantas e tão variedades algas, encontramos também grandes diferenças a nível da composição. Para ilustrar esta afirmação, lembro que a proteína pode ir de 8 a 75 por cento, os carbohidratos de 4 a 40 por cento e os lípidos de 1 a 86 por cento. Que algas estão disponíveis nas lojas de produtos naturais?

Agar agar - é a alternativa ideal para a gelatina. Muito prática, após dez minutos de molho e dez de cozedura fica pronta a deixar arrefecer e consumir.

Aramê - de sabor suave e cozedura rápida, faz receitas muito saborosas e bonitas (apresenta-se em fios longos, pretos e brilhantes) com abóbora e cenouras.

Dulse - esta alga usada na Europa do Norte desde o século X é particularmente rica em ferro e em iodo e é aconselhada às mulheres grávidas e que amamentam.

Hiziki - é a alga de sabor mais forte e difícil, mas é também a mais rica em minerais. Cozinha-se normalmente com vegetais "doces" como a abóbora, a cenoura ou o alho francês.

Kombu - de cozedura mais longa, é típica para cozer com as leguminosas, às quais fornece preciosos minerais para ajudar à digestão.

Nori - é a famosa alga que se encontra nos restaurantes de sushi, preparação tradicional japonesa, desde o início do século XXI moda global. Muito rica em proteína, deliciosa e muito estética, é de muito rápida preparação.

Wakame - alga especialmente usada em sopa, nomeadamente na de misô, coze rápido e tem sabor muito suave.

As algas não são um alimento que se consuma em abundância, mas apesar disso podem desempenhar um papel muito positivo na dieta alimentar, nomeadamente porque têm o poder de fornecer um leque alargado de minerais e oligoelementos insuficientes ou escassos na alimentação corrente actual e fornecer excelentes fibras muito úteis para o correcto funcionamento intestinal e para a perda de peso.

Uma questão que sempre se tem colocado quanto à qualidade das algas, é as águas de onde vêm. O quadro legal existente desde este ano de 2009 passa a dar garantias ao consumidor de que as algas que compra não comportam poluentes, infelizmente cada vez mais presentes nos mares.

Bibliografia: Ventura, Carlos - O Pequeno Livro dos Alimentos Saudáveis, Ed. Gradiva

*Director do Instituto Hipócrates de Ensino e Ciência www.institutohipocrates.pt

atualizado em Terça, 12 Janeiro 2010 17:32
 

Subscreva Newsletter

Medicinas Não Convencionais


Receber em HTML?