Eventos

Entrada Artigos Alimentação Fruta, Plástico e Desperdício
Fruta, Plástico e Desperdício Versão para impressão Enviar por E-mail
Medicinas Não Convencionais - Alimentação
Escrito por Carlos Ventura   
Quarta, 02 Julho 2008 20:05
in revista Natural BeijaFlor
2007 jan
JÁ DESPERDIÇOU PLÁSTICO HOJE?

No mercado apareceu há alguns meses um novo produto, criado pela Compal e que já é um êxito de mercado. Na campanha que massivamente o publicita, vê-se as crianças, com a melhor das intenções, a perguntar à mãe se "já comeu fruta hoje" e como acham que ela não cuida bem dela própria, chegam a encher-lhe a mala deste produto. Este é apresentado em embalagens de plástico que, diz a marca, contêm, cada uma, o equivalente a uma peça de fruta. Ou seja, em vez de comermos uma pêra, bebemos o conteúdo da embalagem e deitamos fora a embalagem. Será a mesma coisa? Não. Em primeiro lugar, comer uma pêra causa poluição zero. Pelo contrário, a embalagem em plástico vai ficar a poluir durante uma eternidade. E mesmo que seja reciclada (do mal o menos), reciclar exige energia - não nos esqueçamos que o que a prática ecológica recomenda é que, antes de reciclar, devemos reduzir o consumo. Mas não é só o plástico. Toda a embalagem tem uma espectacularidade de cores e materiais que aumentam a poluição e os gastos energéticos. E eu já nem sublinho que nos ingredientes deste produto não encontramos só a fruta: polpa do fruto, extractos do fruto à base de concentrados, fibra alimentar, frutose, antioxidantes... Afinal, se é verdade o que a publicidade proclama: "a nossa promessa: o equivalente a uma pêra", então porque não comer a tal pêra?! Cada vez mais se assiste a este absurdo: é frequente pagarmos mais pela embalagem do que pelo produto que na realidade compramos! A sociedade do espectáculo é assim.

 

Subscreva Newsletter

Medicinas Não Convencionais


Receber em HTML?