Eventos

Entrada Artigos Fitoterapia Salsa
Salsa Versão para impressão Enviar por E-mail
Medicinas Não Convencionais - Fitoterapia
Escrito por Miguel Boieiro   
Sexta, 29 Outubro 2010 22:15

Salsa

Miguel Boieiro*

Quando na primavera de 1977 consegui pela primeira vez sair deste sufoco à beira-mar plantado, embora por escassos 22 dias que foi quanto durou a porfiada viagem de finalistas, todos os sentidos ficaram aguçados com os pormenores e os "por maiores"que nos distinguiam da almejada "Europa" daquele tempo. Jovens estudantes sedentos de saber, anotávamos e memorizávamos todos os detalhes que íamos topando durante a digressão. Para mim, sendo a primeira viagem efectuada ao estrangeiro, retenho ainda hoje com nitidez, curiosíssimos episódios.

Como decerto já verificaram, o parágrafo precedente não tem nada que ver com o título desta croniqueta. Contudo, quando penso no termo salsa, lembro-me sempre da "fita" desgraçada que o "Menosdois" fez em  San Sebastian,  quando, no restaurante lhe perguntaram se queria "salsa" na "merluza".  O "Menosdois", alcunha do nosso professor de cálculo comercial que acompanhava a turma, era uma personalidade fascinante pela sua jovial irreverência. Costumava repetir, com imensa graça, que "homem pequenino, ou velhaco ou dançarino, ora como não sei dançar ...". Pois o nosso terrível professor entendeu que naquela sexta-feira-santa, dia em que "o Senhor morreu", haveria de cometer sacrilégio. Nem pensar em jantar pescada "merluza", ainda por cima com salsa! Tiveram que lhe fritar uns ovos com chouriço para satisfazer o seu capricho.

Lição simples desta história: ficámos a saber, para todo o sempre, que "salsa" em castelhano é "molho para temperar a comida". Situações análogas acontecem em várias dezenas de palavras homófonas com sentidos díspares e às vezes até antagónicos. Cuidado, portanto, com as espanholadas!

Mas o que nos interessa agora é que a popular Petroselinum sativum, ou a sua variedade frisada, a Petroselinum crispum é uma valiosíssima umbelífera para fins culinários, cosméticos e medicinais. De fácil plantio, basta dispormos de um vaso numa varanda soalheira e irrigá-lo com alguma frequência para dispormos de um ramo de salsa quando nos apetecer. O talo é estriado e erecto, as folhas pecioladas muito fendidas, de verde intenso, vagamente triangulares e as pequenas flores em umbelas amarelo-verdosas, eis a nossa plantinha que, de tão conhecida, não valerá a pena entrar em mais detalhes físicos. Acrescentemos apenas que esta aromática chega a atingir, quando espigada, um metro de altura.

Todavia, talvez nem todos saibam quais os seus componentes químicos. De facto, ela é rica em pró-vitamina A, vitaminas B1, B2, C, D e E, cálcio, potássio, fósforo, cobre, zinco, magnésio e ferro, possuindo ainda preciosos flavonóides (oxidantes) que retardam o envelhecimento das células, óleo essencial, pectina e tanino. Até a raiz que, por ignorância, muitos desprezam, é farta em mucilagens e amidos.

A salsa é uma planta originalmente mediterrânica, cujas virtudes eram efusivamente elogiadas por gregos e romanos. Diz-se que, como erva santa, se dava a mastigar aos gladiadores antes dos combates para lhes proporcionar mais vigor.

Mencionemos algumas propriedades medicinais e as concomitantes receitas:

Afrodisíaca: mergulhar durante 45 minutos um ramo de salsa num litro de água a ferver. Deixar repousar uma hora e beber um bom copo antes de concretizar o acto sexual. Quem tiver dúvidas, não há como experimentar!

Halitose: mastigar muito bem as folhas frescas.

Eliminar o cheiro do alho: esfregar as mãos com salsa picada.

Doenças renais e inflamações da próstata: comer as raízes da salsa cruas ou cozinhadas.

Infecções oculares, dores de dentes ou de ouvidos, queda do cabelo e caspa: esfregar com o suco da salsa.

Equimoses e feridas: aplicar cataplasmas de salsa triturada.

Eliminação de gases: ingerir "chá" de sementes de salsa.

Combater rugas: Infusão forte de salsa triturada, esfriar meia hora, coar, juntar mel até se obter uma pasta homogénea. Aplicar em máscara sobre o rosto durante 30 minutos.

Em resumo e para além dos usos universais da planta como excelente legume condimentar e elemento de guarnição na culinária de vastos países, aqui segue mais uma listagem adicional das virtudes da famosa "Petroselinum:

Estimulante, diurética, calmante, anti-hemorrágica, digestiva, anti-cancerígena, anti-reumática, purificadora do sangue, eliminadora de acne juvenil, expectorante, alivia a asma e os catarros pulmonares, ajuda a curar a rouquidão, atenua as picadas dos insectos, ajuda a baixar a hipertensão, ajuda a emagrecer ... e claro, como erva sagrada que se preza, os seus atributos benfazejos são quase infinitos.

Advertências finais:

 A salsa é abortiva e pode reduzir a produção de leite materno. É portanto contra-indicada nas gravidezes.

A planta cozinhada, seca ou congelada perde fragrância e boa parte dos seus atributos medicinais.

*Diplomado pelo Instituto Hipócrates de Ensino e Ciência

 

Subscreva Newsletter

Medicinas Não Convencionais


Receber em HTML?