Eventos

Entrada Artigos Fitoterapia Macela
Macela Versão para impressão Enviar por E-mail
Medicinas Não Convencionais - Fitoterapia
Escrito por Miguel Boieiro   
Sexta, 22 Maio 2009 15:05

Macela-real

Trata-se de uma planta que conheço bem e até é uma das minhas preferidas, mais à frente explicarei a razão. O termo “macela-real” foi-me transmitido há muitas décadas por alguém que se sumiu da minha memória. Em vão, tenho procurado este nome nos compêndios e tratados de botânica. A “Achillea ageratum L.”, pois é dela que se trata, aparece com as seguintes designações populares no livrinho de Fátima Rocha, “Nomes Vulgares de Algumas Infestantes”, editado em 1979, pela então Direcção Geral de Protecção de Produção Agrária, do Ministério da Agricultura: agerato, erva-copada-de-são-joão, eupatório-de-mesué, macela-de-são-joão e macela-francesa. Em “Plantas e Usos Medicinais Populares de Aljezur, Lagos e Vila do Bispo”, aparece como “marcela-mourisca”. José Gomes Pedro, nas “Flores da Arrábida”, insiste em “macela-de-são-joão”. Entre diversificados nomes, os espanhóis também a apelidam de artemisia-real. Como se verifica, as designações populares variam com frequência, dificultando a correcta identificação da flora. O mais seguro é determinar nomenclaturas científicas, embora isso também não seja fácil. Quanto à nossa plantinha, irei continuar a chamar-lhe macela-real, porque a considero, justamente, a rainha das macelas.

É erva vivaz de base lenhosa que pertence à família das compostas, ou asteráceas, erecta, com caules múltiplos e cheiro intenso, chegando a atingir 80 cm de altura. As folhas são alternas, serradas, oblongas ou lanceoladas, de pecíolo curto. As pequenas flores, hermafroditas e polinizadas por insectos, formam corimbos com 15 ou mais capítulos, de cor amarela. Os frutos são aquénios. Distribui-se com mais frequência no centro e sul do País, preferentemente em solos argilosos, julgando-se ser endémica da região mediterrânica ocidental. Costumo colhê-la na Arrábida, durante o mês de Junho, quando ela se encontra intensamente florida. Em Julho já é tarde de mais, dado que, com o intenso calor, as flores ficam secas e adquirem cor acastanhada.

Segundo é referido em “Elementos da Flora Aromática”, de Aloísio Costa, desta erva fortemente aromática, “foi isolada uma essência com hidrocarbonetos terpénicos, álcoois gordos e ésteres de ácidos da mesma série, dimetiltimo-hidroquinona, azuleno, etc.”

A macela-real é considerada uma planta estimulante, tónica e vulnerária.

Curiosamente, os americanos consideram-na planta condimentar (folhas esmagadas), mas não lhe atribuem usos medicinais. No entanto, na já citada obra sobre a flora dos concelhos ocidentais do Algarve cita-se que é boa para inchaços e feridas de pessoas e animais e, em particular, para a lavagem dos porcos depois de capados, a fim de não infectarem; ou ainda para curar animais empanzinados, dando-se-lhes a beber a água do respectivo cozimento.

Nenhuma das obras que consultei refere o uso da macela-real para debelar problemas estomacais: digestões difíceis, azias, arrotos e enfartamentos. Contudo, para estes problemas, a planta é espectacular, graças à sua eficiência e efeito rápido. Basta mastigar uma, ou duas florinhas secas, ensalivar bem e engolir. O sabor é desagradavelmente amargo, mas vale bem a pena, porque é remédio santo. Quando viajamos, a minha mulher costuma trazer sempre uma caixinha com flores secas de macela-real e até tem, frequentemente, ajudado outras pessoas. Lembro-me de que, quando estivemos em Cuba, em 1982, participando na inesquecível Brigada José Marti, uma das nossas jovens guias, a Íbis, sofria imenso de problemas de estômago. Assim que a minha mulher lhe passou a caixinha das macelas-reais, logo a moça começou a ficar aliviada. De tal maneira ficou fã deste simples tratamento que, durante alguns anos, quando alguém conhecido visitava Cuba, sempre era portador da mezinha para a Íbis.
 

Subscreva Newsletter

Medicinas Não Convencionais


Receber em HTML?